Voyeurismo

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

Moro em um apartamento onde as janelas dos banheiros são grandes e envidraçadas. Gosto de tomar banho de luz apagada, por dois motivos: um é que relaxa muito e outro é que eu posso deixar as janelas completamente abertas, o que permite contemplar toda a vizinhança e as ruas em volta.

Na frente da janela do banheiro tem um prédio. Deve ficar a uns 30 metros de distância, o que já limita meu campo focal. E uns 5 andares abaixo, tem uma vizinha muito bonitinha. Todo dia eu a observo, enquanto a água gelada salpica na minha cabeça. Mora com os pais, tem um irmão, veste-se impecável, tem pijamas feitos de camisetas velhas. E tem um computador em seu quarto.

Aquele prédio tem muitos outros vizinhos, mas todos muito comuns. Só aquela janela, daquele quarto, com aquela moça, interessa minha observação diária. Diria que sua idade beira os 20 anos, estuda à noite.

Hoje achei um binóculo velho, caído em um canto qualquer. Relembrei o porquê dele estar esquecido: era vesgo. Limpei a lente, mirei em cheio com o instumento em posição “monóculo”, naquela única janela que me interessava. Invadi sua privacidade. Li as palavras que estavam escritas em seu mousepad. Naveguei lentamente pelo seu quarto, cama, estantes. Fiquei observando-a, enquanto ela digitava constantemente. Devia ser algum chat ou instant messenger. Ela esboçava um olhar sério, triste. Raros momentos em que sorria de canto de boca para a tela. Algumas vezes inclinava-se para frente. Outras, ficava imóvel, deixando apenas seu indicador rolar a rodinha do mouse.

Ela conversava com alguém que não a via, mas sabia o que ela estava dizendo. Talvez esta pessoa nunca a tivesse visto antes, apenas desenhava em pensamentos seu semblante imaginário perfeito.

Eu a via, mas não sabia o que ela estava pensando ou escrevendo. Não sabia sequer o seu nome, mas já estive passeando pelo seu quarto, por sua intimidade.

Uma invasão inocente. Incoerente. Imagino quantas pessoas estão agora empoleiradas, observando-me enquanto escrevo. Deixei a janela aberta, o outro prédio vizinho pode ter alguém me visitando neste instante.

Alguém pode estar te vigiando agora

Voyeurismo hoje em dia é moda. Reality Shows estão aí para provar. O mundo tornou-se voyeur porque as pessoas vivem cada vez mais isoladas.

A nossa sociedade é muito curiosa. O ser humano é curioso. Isola-se, mas tem a necessidade de conviver. Então trava um telecontato, só do olhar. Só que o isolamento leva ao empobrecimento afetivo, é um convívio egoísta. A pessoa se sente segura porque acha que pode se desligar daquele contato a hora que quiser, mas continua isolada.

E essa curiosidade extende-se mais ainda: fico imaginando você aí, lendo este blog: quem são essas 5 pessoas online no site? De que parte do mundo estão acessando? O que estão comendo, o que estão escutando?

A curiosidade cria situações fantásticas, como sempre. E nunca vamos saber, ao certo, o que se passa ao nosso redor.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.