A fila do correio

A fila do correio. Agradavelmente depressiva. O idoso que esquecera a razão de estar ali: resmungava baixinho, olhando contas e papéis e cartas e tudo mais que pudesse render razão para estar ali. Logo ao lado, a velha maluca. Velha e maluca. Com dois crucifixos enrolados em um barbante vagabundo de algodão. Gorro de lenhador.…

Vitrola no phono; Spotify no optical.

O dia em que eu resolvi comprar um toca-discos do Fofão e tocar uns bolachões. Mas deixei o wi-fi no apt-X para equalizar o socorro digital. A música sempre foi um acessório de consumo secundário na minha vida. Aquela velha história de prioridades e dissociações sem qualquer responsabilidade. Minha geração é de uma época…

Os caçadores virtuais

Meu meio social virtual deixou de ser politizado desde o momento em que houve a dança da magna-cadeira presidencial brasileira. Não sei bem qual foi a razão, mas o foco geral degringolou da política ferrenha para alguns momentos pontuais e sequenciais: zica; gente pedindo ajuda sobre empregos no exterior; a olimpíada no Rio; caçar…

A teoria do cachorro chutado

Nessas nuances diárias de comentários trocados, farpas esmiuçadas e culpas ressentidas, resolvi publicar — pela primeira vez fora de uma mesa de bar — a ‘Teoria do Cachorro Chutado – Tomo Único Átomo’. Essa teoria tinha o pitoresco nome de Raimundinha do Paguá. Aquela delicinha-beldade que se imaginava uma deusa nos bailes da colonha. Mas era… apenas uma desfrutável.…

Rapidinhas, además.

Juntando tudo, dá um caldo; rapidinhas MadCap #339: /but does It float? Sempre que posso uso dithering Floyd-Steinberg. Faz bem e rejuvenesce. Quase uma onça troy de rapé sudanês por colhereta cheirada. “Todos são admitidos nas fábricas, exceto os dementes e loucos”. Meu defcit de atenção está chegando aos 14.533 pontos negociados na bolsa, atingindo…

O custo do relacionamento virtual-social

Aprendi uma palavra interessante dia desses: frenemy. É um termo antigo, que significa basicamente um inimigo que se passa por amigo. Ou um amigo que é amigo mesmo, mas um frenético competidor no sentido sujo da palavra. Como todo humano que preste eu tinha desenvolvido um conceito bem parecido de classificação de amizades pessoais; nada…

17 impressões de um brasileiro no Reino da Pasárgada.

Na mesma linha do polêmico post de Olivier Teboul “Aquele francezinho xexelento impetulante!” “Falou mal do Brasil, desgrama!” “Tá insatisfeito volta pra França, subaquento!” resolvi escrever sobre as estranhisses que encontrei quando mudei para o Reino da Pasárgada, um pequenino principado nas entranhas da Europa. Ao contrário do que muita gente afirma, O Reino de Pasárgada…