Sete dias na Argentina

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

“Mi Buenos Aires querido,
  cuando yo te vuelva a ver no habrá más pena ni olvido”

                  Gardel

Com a onda lowcost de passagens aéreas e a oportunidade de bons preços, viajar para o país hermano ficou muito mais fácil. O destino é — como não podia deixar de ser — o principal pacote internacional das operadoras de turismo.

A vantagem principal de um turismo mais austral neste momento é, sem dúvidas, a diferença monetária entre o peso argentino e o real brasileiro. É a mesma sensação do europeu de férias nas praias tupiniquins. Refeições completas por menos de 40$. Jantares de luxo por 100$. Corrida de taxi por 14$. Divida tudo por 2 (conta de padeiro mesmo) e você terá o valor em reais.

Alçamos vôo com apenas duas coisas pré-agendadas: vôos e hotéis. Sem operadoras, agendas ou qualquer outra coisa que pudesse tirar nossa total liberdade na escolha de atrativos e uma lista infindável de coisas a fazer.

Buenos Aires
Existem várias Buenos Aires para se conhecer. A artificial e programada de operadoras, a genuína e infiltrada no meio dos portenhos, a descolada e baladeira, a bon-vivant e a luxuosa dos recônditos elitistas. Montamos um blend de todas estas vertentes vivenciais e lançamo-nos ao mundo.

No caminho do aeroporto para o hotel, um choque cultural: nenhum radar eletrônico (pardal), prédios decadentes, poluição visual e um gostinho de não ter saído do Brasil. Ficamos em Palermo SoHo, um bairro vanguardista em plena ascenção, cheio de lojas experimentais, hotéis design e B&B, restaurantes internacionais e muita gente diferente (argentinos típicos e gringos). O nosso hotel era outra surpresa. Apenas uma portinha com o número, sem qualquer outra identificação. Lá dentro um mundo incrível e aconchegante, cheio de conforto, design e estrangeiros.

A cidade, na verdade, é fora do comum. Toda a arquitetura clássica e moderna, museus, prédios restaurados e até as casas antigas são impressionantes. Ouso dizer que no Brasil não tem uma cidade que consiga chegar perto do que Buenos Aires é em termos de urbanismo histórico. Algumas ruas são cheirosas. As folhas de plátano dão mais cara de cidade versão européia. As pessoas são bonitas, polidamente educadas, andam bem arrumadas e cheiram muito bem. A grande maioria descendentes de europeus. Talvez a culpa dessa impressão toda seja o frio, vai saber.

Mendoza
É a cidade ideal para dar um tempo de tudo. Fomos de Buenos Aires para Mendoza em um turbojato arcaico da Aerolineas Argentinas, com a equipe feminina de esportes de inverno da Argentina. Chegamos com uma frente polar antártica, o que nos proporcionou temperaturas abaixo de zero e sensação térmica mais baixa ainda.

Em Mendoza você faz basicamente duas coisas: toma vinho na bica e passeia para alta montanha.

Tomar vinho na bica significa passear por uma das suas 1800 bodegas Y fincas que produzem bons vinhos, conhecer os processos e, no final do passeio, degustar alguns reservas e selecionados com toda a pompa de enólogo metido a besta que você não tem. As degustações são, na grande maioria, gratuitas. E não pense que o pessoal lá regula mixaria não! Meia taça de cada varietal, com uma média de 4 cepas. Um dia de passeio pelas vinícolas equivale a 4 litros de bons e diferentes vinhos zanzando pelo seu sangue.

Passear para a alta montanha é uma coisa mais singela e agradável. Você conhece a pré-cordilheira, a cidadezinha de Uspallata, estações de esqui e um monte de pequenas surpresas no caminho: um côndor que voa solito no meio do nada, um puma que acredita em sua camuflagem, guanacos, viscachas, uma nevasca repentina.

A argentina é um país que vale visitar. Muitas vezes.

Dicas

  • Os taxistas são meio doidos das idéias. Priorizam buzinar à trocar de marcha. Apesar disso, as corridas são muito baratas e valem a pena. E praticamente todos os taxistas ja vieram zanzar no Brasil;
  • Cuidado com o dinheiro argentino: se você receber uma nota de peso com algum canto faltando ou com cortes ou rasgos, recuse. Você não vai conseguir passá-la para frente. A dolarização do Menem ainda é eficiente, mas garanta-se sempre com uns pesos no bolso. Cartões de crédito são bem aceitos em lojas grandes. Cuidado com notas de Us$50 ou Us$100. É muito troco, e os comerciantes recusam-se a aceitar;
  • Compre vinhos nas bodegas em Mendoza ou então No quiosque de vinhos do DutyFree do Ezeiza. O preço é menos da metade da mesma garrafa em adegas aqui no Brasil;
  • Pontos demasiadamente turísticos (Caminito, cemitério da Recoleta, Porto Madero) tem muito caça-turistas. Perde um pouco o encanto e fica artificial demais;
  • As vinícolas mendocinas também tem armadilhas caça-turistas. Prefira fincas y bodegas mais autênticas e reservadas. São, de longe, o melhor atendimento e você percebe que o responsável se esforça para mostrar tudo. As caça-turistas cobram taxas, tem pirâmides incas (!) e não valem a viagem;
  • O aeroporto internacional de Buenos Aires (Ezeiza) não tem praça de alimentação. Na verdade ele é um terminal de embarque muito do fajuto. Não chegue com fome. Um refrigerante custará 10$ na única lanchonete disponivel;
  • As lojas Tax-free são burocráticas e difíceis de achar;
  • Argentinos não comem arroz. Quando você pede um Mignon com batata rosti, significa APENAS Mignon com batata rosti. Eles não são fãs de arroz, saladas leves ou outras iguarias;
  • Aliás, se você é vegetariano, perderá 76% do cardápio regional, sempre;
  • Existem shows de tango diferenciados, que variam desde o intimista e puro até as mega produções broadwayanas com um monte de firulas. Talvez um bom tango de rua (como os dançarinos da feira de San Telmo) seja o suficiente para você entrar em contato com o estilo;
  • Tente aprender um pouco de espanhol. Os argentinos não entendem quase nada de português;

Fotos

Clique para abrir

O estêncil é uma das formas mais comuns de grafite em Bs.As.
Clique para abrir

O estêncil é uma das formas mais comuns de grafite em Bs.As.
Clique para abrir

O estêncil é uma das formas mais comuns de grafite em Bs.As.
Clique para abrir

O estêncil é uma das formas mais comuns de grafite em Bs.As.
Clique para abrir

Muitos bares têm dezenas de espécimes de cervejas artesanais.
Clique para abrir

Anúncios imobiliários em uma vitrine de esquina.
Clique para abrir

Dois portenhos conversando em uma loja de iluminação personalizada.
Clique para abrir

Grafite em uma parede do bairro de Palermo (SoHo).
Clique para abrir

Cartazes eleitorais da chapa concorrente à diretoria do Clube Boca Juniors.
Clique para abrir

Uma janela antiga e conservada em Palermo(SoHo).
Clique para abrir

Os cachorros não são bem-vindos em casas comerciais — Palermo(SoHo).
Clique para abrir

Buenos Aires tem contrastes especiais em sua frota urbana — Palermo(SoHo).
Clique para abrir

Maestro Jorge tocando tango clásico em sua gaita — Calle Florida.
Clique para abrir

Cães esperando seus donos na Plaza San Martin.
Clique para abrir

Dois músicos em uma barraca de instrumentos musicais na feira da Plaza Alvear.
Clique para abrir

Homem pintando o corpo para se expôr como ‘homem de concreto’.
Clique para abrir

Homem pintando o corpo para se expôr como ‘homem de concreto’.
Clique para abrir

Um violonista tocando clássicos do tango (La Recoleta).
Clique para abrir

Detalhe de um jazigo no cemitério da Recoleta.
Clique para abrir

Detalhe de um jazigo no cemitério da Recoleta.
Clique para abrir

Um dos muitos gatos de rua que perambulam pelas ruas do cemitério da Recoleta.
Clique para abrir

Célia e outro gato sem-vergonha do cemitério da Recoleta.
Clique para abrir

Detalhe do portão de um jazigo de 1898.
Clique para abrir

Banda de Jazz ‘Los Jazz Friends’: tocam em ‘casamientos, cumpleaños, inauguraciones y conciertos’.
Clique para abrir

Placa de um restaurante no Caminito.
Clique para abrir

Uma poesia de G. Coria Peñaloza em uma parede do Caminito.
Clique para abrir

Detalhe da arquitetura metálica de chapas de aço das paredes das casas no Caminito.
Clique para abrir

Uma mulher cruza a ‘ferro carril’ desativada do bairro da Boca.
Clique para abrir

Tampinhas de garrafas de ‘cerveza’ grudadas no asfalto.
Clique para abrir

O clássico cruzamento das ‘calles del Caminito’ (e a Célia lé em cima).
Clique para abrir

Um dos muitos dançarinos de tango de rua do Caminito: adoram grudar em turistas.
Clique para abrir

Uma das muitas placas com poesias em paredes comerciais.
Clique para abrir

Um gato de rua descansa em frente aos ‘artezanos’.
Clique para abrir

Uma quadra poliesportiva com a problematica e histórica frase: ‘República de la Boca’.
Clique para abrir

Cartazes de uma lanchonete de comidas regionais.
Clique para abrir

Nico, o cachorro-mascote dos torcedores do Boca.
Clique para abrir

Revistas em uma loja de antiguidades: Maradona no Boca e Maradona segurando a taça.
Clique para abrir

O cachorro chorão trancado para o lado de fora da casa.
Clique para abrir

Janela decorada do Caminito.
Clique para abrir

Maestro da ‘Falsa Tregua – Orquesta Típica’
Clique para abrir

Maestro da ‘Falsa Tregua – Orquesta Típica’
Clique para abrir

Detalhe de uma placa de restaurante escrita à giz — Caminito.
Clique para abrir

Um quarteto de percussão (quase samba, por supuesto) nas ruas do Caminito.
Clique para abrir

Vista da praça do suspiro, com a parte ativa do porto da Boca.
Clique para abrir

Um casal de tango dançando no meio da feira de rua em San Telmo.
Clique para abrir

Um vendedor de pães caseiros recheados — 2 pesos cada.
Clique para abrir

Um vendedor de pães caseiros recheados — 2 pesos cada.
Clique para abrir

Um vendedor de espanadores, com fones de ouvido.
Clique para abrir

Orquestra Baigón, nas Ruas de San Telmo.
Clique para abrir

Um intérprete de músicas contemporâneas, musicadas em tango, nas Ruas de San Telmo.
Clique para abrir

Um casal de old school hippies.
Clique para abrir

Caricaturista rápido na praça central de San Telmo.
Clique para abrir

Violeiro e expectadores.
Clique para abrir

Casal de tango apresentando-se na praça central de San Telmo.
Clique para abrir

Casal de tango apresentando-se na praça central de San Telmo.
Clique para abrir

Vendedor de discos antigos na feira de antiguidades de San Telmo.
Clique para abrir

Clássico portenho conversando nas ruas de San Telmo.
Clique para abrir

Placa comercial de uma das muitas lojas de antiguidades.
Clique para abrir

Praça cercada de bares em Palermo Viejo.
Clique para abrir

Rio Mendoza, principal fonte de água da cidade homônima.
Clique para abrir

Um Willys parente da nossa ‘Rural’.
Clique para abrir

A primeira neve do ano em Mendoza… Bueno!
Clique para abrir

Mesa patrocinada e congelada.
Clique para abrir

Uma casa local cercada de Álamos e abastos.
Clique para abrir

Detalhe da cerca coberta de neve.
Clique para abrir

Cavalos Criollos Argentinos e ao fundo a pré-cordilheira.
Clique para abrir

Cavalos Criollos Argentinos e ao fundo a pré-cordilheira.
Clique para abrir

Alamos Cobertos de neve.
Clique para abrir

Detalhe do degelo dos telhados.
Clique para abrir

Likes Lacoste.
Clique para abrir

Ruta Panamericana degelando com o sol — Uspallata.
Clique para abrir

Placa de beira de estrada completamente congelada — Uspallata.
Clique para abrir

Sol forte e campo aberto — Uspallata.
Clique para abrir

Mais restaurantes de beira-de-estrada patrocinados por ‘cervezas’.
Clique para abrir

Gelo formado na roda do caminhão.
Clique para abrir

Montanhas dos Andes.
Clique para abrir

Um australiano contemplando os Andes.
Clique para abrir

Ascensores de pistas na estação de esqui Los Penitentes.
Clique para abrir

Trecho da Ruta 7 – Panamericana
Clique para abrir

Trecho da Ruta 7 – Panamericana
Clique para abrir

Montanhas nos Andes
Clique para abrir

Helada – Como a nossa geada, mas muito mais severa.
Clique para abrir

Helada – Como a nossa geada, mas muito mais severa.
Clique para abrir

Parreiras de uva Merlot na finca e bodega Tapiz.
Clique para abrir

Robles franceses com vinhos para Reserva.
Clique para abrir

Degelo do solo preparado para o plantio de uvas.
Clique para abrir

Detalhe dos barris de carvalho.
Clique para abrir

Llamas e os Andes.
Clique para abrir

Detalhe do restaurante da finca e bodega Vistalba – La Bourgogne
Clique para abrir

La Bourgogne – vinho ‘2004 Carlos Pulenta “Tomero” Semillon Blend, Uco Valle, Mendoza’
Clique para abrir

Vinhos recém engarrafados e em processo de descanso.
Clique para abrir

Barris de carvalho francês.
Clique para abrir

Barris de carvalho francês.
Clique para abrir

Reserva pessoal de Carlos Pulenta – vinhos selecionados e premiados.
Clique para abrir

Reserva pessoal de Carlos Pulenta – vinhos selecionados e premiados.
Clique para abrir

Mar del Plata – Buenos Aires.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

<p>Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.</p>

0 comentários

  1. Antes de viajar para BA, tinham me dito para tomar cuidado com os taxistas. Já no hotel, recebi a mesma orientação. A dica era tomar taxi sempre a partir de uma chamada para empresas de taxi, nunca diretamente nas ruas. Desobedeci. Terminada a corrida, o taxista me disse “8 pesos”. Paguei com uma nota de 20 pesos e fiquei esperando o troco. O taxista abaixou a mão. Imaginei que fosse pegar o troco. Levantou a mão novamente, com uma nota na mão, mas nada de me entregar. Achei estranho. Perguntei pelo meu troco. O taxista me disse que estava faltando dinheiro. Eu disse: “Mas eu te dei uma nota de 20 pesos”. E ele: “Não, o senhor me deu 2 pesos”. Era esse o golpe dos taxistas. Não adiantou afirmar que eu tinha certeza de ter entregue 20 pesos. Rodei na grana. Quanto ao resto, BA é encantadora mesmo. Fiquei 11 dias por lá. E gostaria de ter ficado mais. Abração

  2. Parabéns pelas fotos e pela bela viagem que realizaram. Você realmente usufrui cada minuto da viagem!!! Linda a foto dos cavalos criolos com a pré-cordilheira como pano de fundo…