Patinando na laminha da incerteza.

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

A existência pura e simples deste espaço é uma afronta para meu vício de viver. A complexidade da situação que me enfio cada vez que tento dar um tombapé na morosidade começa a se tornar uma criatura sem autonomia sustentável. E isso gera dois desconfortos venais: A instabilidade da estrutura e uma espécie de autocomiseração, se é que isto existe.

A instabilidade da criatura tem resultado destrutivo e rápido. O seu passado sombrio levou uma martelada na testa que o fez cair como uma massa disforme no matadouro do Botiatuvinha. Aliás, carneada, com descartes imensos e apenas o filé-garré aproveitado. Foi um ato leviano e fadado ao fracasso, sem ressentimentos.

A autocomiseração é o distúrbio ridículo que parece uma lambeção de úlcera que não seca. Pesadíssima e sem propósitos, arrasta-se por terrenos inférteis de pedregulhos secos e cinzentados, tentando semear idéias que jamais teriam chances de brotar.

Uma nova martelada? Quiçá resolveria a instabilidade momentânea. A ignorância é apenas a prova de que hostilidade bruta pode ser a melhor situação para troçar uma conveniência dândi entre a dicotomia ridícula do existir, vivendo.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.

0 comentários