O Axolotle de terno Broërs & Söhne

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

O axolotle (Ambystoma mexicanum) é um anfíbio da família dos Ambystomatidae (De anfíbio não tem nada, que fique claro, uma vez que o pequeno neoténico vive na água a vida inteira). Seu nome significa “monstro aquático” e é uma evocação ao deus asteca Xolotl, um pândego musiqueiro.

Gosta de ternos revestidos com tecido DryFit™, sabe-se lá o porquê. Tentou, sem êxito, aplicar tererés nas brânqueas externas. Sentiu desconforto e falta de ar e, desde então, conserva as madeixas ao Deus-dará.

Com um sorrisão cativante e feição esmaileniana, o Axl (redução carinhosa de Axolotl) é chicleteiro, axezeiro e micareteiro de carteirinha. Gosta de competir fêmeas com outros batráquios durante eventos, marcando com uma hidrocor laranja em sua barbatana caudal — tal e qual um piloto de caça que risca a lata do aeroplano — quantas ninfas traçou à beijo.

Dizem as más línguas que um renomado compositor de axé-elétrico fez uma música para os «xolotis», grupo de puladores de axé profissionais de Brasilia, que tiveram o auge existencial em 1994, durante o IV simpósio da APAPA (Associação dos Puladores de Axé Profissionais e Autónomos).

A música se perdeu no espaço-tempo após um desentendimento durante a «Micarecandanga’94» onde o compositor levou uma enveredada de direita de um xoloti ébrio e uma garrafada de Teleco-Teco no contra-golpe de canhoteira. O petardo da garrafa abriu-lhe um talho de ponta-a-ponta no rosto. Desde então jurou silêncio eterno da sua partitura cifrada e letrada.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.

0 comentários