Mande notícias, crápula.

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

Parabéns dono do blog. Um mês sem postar.

O tempo, aqui, é uma abstração da realidade. E por isso mesmo é uma grandeza subjetiva e sujeita a variações que podem ser levadas para o universo individual, tomadas como parte de um todo. Apesar de individualizada, a parte ainda interage com o todo, de sua forma mesmo que, a exemplo, subliminar, a energia do conjunto não sofre perda alguma e a entropia conhecida é mantida.

Enfim, não vos abandonei.

spiderApós esse pequerrucho prolegômeno, vamos à veia do fato. Nossa redação esteve imbuída de percorrer alguns recantos sob essa ionosfera e ficou sujeita a interferências na distribuição do sinal, com delays variáveis (repare que 31 dias sem postagens é quase um delay neuronal, diga-se de passagem). Uma mudança abrupta de comarca sul → norte e a ausência total de conexão sensorial com a grande rede matreira de internet mundial nos tarimbou do cerceamento de notícias pitorescas rotineiras. A vida, que ruma no filete esquerdo, então sugeriu desbravações capiciosas e prosaicas, engolindo um tempo precioso de pensa.

Nesse ínterim, fui surpreendido pelo clamor ofegante e taquivérbico do servidor de hospedagem que, ano-após-ano, lembra-me que este espaço aqui é alugado e cobra seu quinto com a precisão de um algoz de financeira ferrenha, um continuum na vida dos joviais editores deste canal. Esse repasse de moedas douradas entrou em pauta e a votação do board diretor quase declarou encerramento de atividades. Por apenas 2 votos postergou-se a decisão de sobrevida em um ciclo solar.

Enfim, leitor assecla de sempre, a verdade é que essa organização já entrou no ciclo do carbono e teima em se revigorar do nada. Cada batida de asas levanta uma poeira infernal.

Acostumem-se com a virada do rio, com a marola traiçoeira, com a punhalada no bregma/cafongma, com o arsénico imiscuído na vela, com o envenenamento enteral.

E, com toda a sorte de cautela ante a sorrateirice que representa esta confederação de mafuás chamada madcap, tentáculo sufocante da verborragia perene vestal (em minúsculas, para não chamar atenção), foi acordado que se viva um sonho a menos — ou na pior das hipóteses — menos um pesadelo a mais.

Tal e qual o ébrio que arrodeia reuniões de a-a para filar quitutes, contemos agora a vida medequepeneana em dias: estou a 365 sem morrer, aplausos.

 

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.

3 comentários