Londonices numa nice.

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

Algumas observações aleatórias colhidas por esses dias sobre o comportamento deste bichinho indócil e complexo chamado londrino:

Gardening
Esporte nacional, a jardinagem é tida como um dos grandes prazeres do povinho pra lá da meia-idade. Existem lojas gigantescas e apetrechos bem especializados para tal hobby. Mas isso tudo é teoria de um mundo ideal. Na prática o que se vê em Londres são jardins que, em algum ponto da história, já foram bem cuidados. Muitos estão abandonados com plantas secas, ervas daninhas ou pior, cobertos por cascalho (ou concretão) decorativo.

Socialização em festas
O que eu chamaria de festa-duro: o povo pega tão pesado na pingaiada que algumas festas são consideradas escapes sociais para o coma alcoólico. As ambulâncias do turno que o digam. O mesmo serve para os fechadores-de-pubs, aqueles camaradas que esqueceram o nome deles há 5 rodadas atrás. A socialização acaba sendo a partilha do booze. A maioria dos assaltos e estupros (a-ha! existem essas coisas por aqui!) acontecem com esses solitários ébrios que vagam soltos pelas ruas na madrugada foguenta.

Decoração da casa
A linha tênue (e triste) que separa o kitsch do brega entulhado (ou quase hoarder) é mais fina que linha simples de seda.

Limpeza
Alguma coisa deu muito errada em um momento da história para os camaradas que inventaram o aspirador-em-pó. Existem casas por aqui que nunca viram um aspirador ou pior, nunca foram efetivamente limpas ou varridas com alguma frequência.

Escovar os dentes
Os dentistas recomendam entre uma e duas escovações diárias. Alguns ainda são mais realistas e pedem para que se escove os dentes pelo menos 5 vezes na semana, antes de dormir. Acredito que os londrinos façam isso duas vezes por semana. Eu faço parte dos alienígenas que mantém o binômio escova-pasta na gaveta da mesa do trabalho. E todo mundo acha estranho.

Patriotismo
Alguns ingleses hasteiam bandeiras da Inglaterra em casa. Eles não curtem muito o Reino Unido e sempre que podem desoneram a União Européia por ter suprimido a remota chance deles arranjarem um emprego, já que os forasteiros tomaram tudo. No final das contas o patriotismo se tornou uma xenofobia sem muito fundamento. Os famosos moradores de Angerland.

Esportes
Por incrível que pareça, é muito fácil ter acesso a qualquer tipo de esporte em Londres. Existem centros comunitários, recrutadores profissionais, espaços olímpicos que triam boas promessas, escolinhas em qualquer parque. E quando digo qualquer esporte, significa QUALQUER UM que você imaginar. Daria para expandir este tópico em um texto gigante.

Turismo
Não diria que Londres é um destino turístico potencial. Tudo aqui é caro e burocrático. A moeda é forte e torna qualquer diária de hotel uma facada no âmago. Os passeios são urbanóides e histórico-políticos. A Europa inteira é parecida, mas aqui esse sentimento é muito mais potencializado. Mesmo assim o centro nervoso da capital (parlamento e adjacências) fica coalhado de turistas e suas lentes invasivas.

Lixo no chão
Já estou de saco cheio com o tanto de lixo que existe por aqui. O inglês-padrão produz muito lixo. Alguns têm um péssimo hábito de jogar miudezas no chão. Outros ainda mantém o costume porco de cuspir. Qualquer rua por aqui tem lixo espalhado: papéis, copos descartáveis de cafés, restos de comida. Nos parques a coisa não é diferente. E não é falta de lixeiras públicas, amigo: é falta de bom-senso mesmo.

O flirt e o namorico
A regra é simples: o romantismo existe essencialmente em livros. O povo londrino é promíscuo na essência: usam as premissas do item #2 ali de cima como desculpa para o get in -> get out -> get off. Se um primeiro encontro não dá certo, o povo parte para as vias de fato e nunca mais se bicam. Se a química se dá — oh! — eles começam um relacionamento só no sapatinho, com primeiro beijo, primeiro friozinho na barriga… fisgar-a-piaba-rosa? só pelo terceiro ou quarto encontro.

Relacionamento sério
Completamente diferente do item acima. Londres é complicada pra caramba para relacionamentos. A solução (não dê risada, faz favor) é se cadastrar em sites de relacionamentos. São serviços caros pra cacete (média de £30 por mês) que o povo usa de verdade. Serious Bizines: 7 milhões de cabeças Londrinas cadastradas em apenas um deles e uma incrível média de 90.000 novos coraçãezinhos solitários por mês. Agora some os números dos 20 maiores sites no assunto e chegue a conclusão de que 50% de Londres procura uma tampa para a frigideira. Alguns sites são para públicos mais específicos: gays, pessoas de uniformes, judeus, cristãos, fazendeiros solitários, indianos, gente mais velha (acima dos 50), vegetarianos, artistas, pais solteiros, ativistas, ciclistas… Praticamente um site para cada nicho.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.