Fala-me

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

Eu desconheço uma frase tão deliciosa quanto a que ouvi na primeira vez em que beijei uma mulher. O beijo foi intenso, verdadeiro, daqueles de ver estrelas, com cenário romântico, uma trilha sonora sincera e iluminação por contraponto, perfeita.

É, sou romântico. E sou um crápula, pode pestanejar o quanto quiser, mas a verdade é que esses momentos servem muito bem como coleções de sentimentalidades, armazenadas no setor da vaidade humana do meu coração.

Um espaço delicioso e reservado para as pieguices do amor. Bom de se perder por horas, escarafunchando todos os álbuns fotográficos imaginários e coloridos.

É uma busca que me faz gostar de lembranças — como a frase que ouvi pela primeira vez em que beijei uma mulher — e me inspira, de forma extraordinária, a entender como o mundo funciona.

Desses vai-e-vens ao fundo da minh’alma, entendi duas coisas primordiais. Uma, é que ninguém ama com menos de 18. No máximo uma paixão ou uma taradice. 18 anos é a idade mínima necessária para que alguns neurônios vitais para o amor terminem de se desenvolver. E isso é genética, não me venha criticar.

Outra coisa fenomenal é que a razão só aparece depois do juízo. Como o juízo só aparece depois do ciso, a coisa desbanca para o adultismo.

Estou bem nesse entrementes do juízo versus a chancela que me diz que um dia terei razão.

Aí penso na frase que me faz estremecer as pernas.

Muitas mulheres que gostei falavam.

As que eu quis namorar ou somente viajar ao lado em um ônibus leito, falavam com certa freqüência.

As mais inteligentes falavam.

As mais cheirosas falavam.

As mais belas.

Minha mulher fala.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

<p>Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.</p>