Alto fala, baixo vive.

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

Os demiurgos deste veículo brindam seus freqüentadores com uma resenha rara, captada pela proximidade animalesca de R.Valentino em último bal masqué, realizado por ocasião da inclusão do então consagrado gráfico da “falafalicitude autômata de vozes”, um resumo heróico e competitivo desafiando R.Valentino a criar um gráfico de axis paralelos com explicação auto-entendível.

A questã logrou a voluta peripatética abaixo:

TABELA FRAGMENTADA - CLASSE SOCIAL VERSUS POTÊNCIA SONORA DESPRENDIDA

Notas do Autor: Consideráveis variáveis que influenciaram na pesquisa:

— Elitistas emergentes e falsos elitistas falaram muito alto; pertencem às classes inferiores originais.

— Pobres que falam baixo têm problemas de dicção, ortodônticos ou  são mudos.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.