Lembrete para daqui a pouco

O fel desgraçado que ainda escorre no canto da minha boca serve como um sinal de que nunca me esqueça que o cinema, a fotografia e a música apenas retratam idéias maravilhosas irreais. A fotografia é um fiel retrato do impossível. Aquele roteiro melodramático do filme que passou na tarde friorenta de sábado é uma…

A academia de ginástica

A academia de ginástica. O ato de puxar o ferro. A corrida exasperada na esteira com passos largos e o medo constante de cair da área útil. O esporte mais estranho do mundo. Onde nada te leva a lugar algum. E o sentimento de que nada mudou, impera. Eu tenho problema hormonal. Eu tenho…

O ovo de páscoa e o seu direito de reclamação

A Páscoa já passou. A minha maior reclamação sobre a efeméride não era relacionada diretamente com os preços dos ovos ou com a necessidade de pestanejar contra o capitalismo instaurado na ‘obrigatoriedade’ da compra familiar. Eu só reclamava da altura que esses ovos eram postos naqueles corredores das delicinhas chocolateadas. Hoje eu percebo que o teto…

O principado Londrino

Em Londres o inglês foi extinto. O inglês no sentido do mameluco-índio-nativo, aquele chapa dândi que usa tweed. O principado aqui é uma terra expátrida onde todo mundo é qualquer coisa – em qualquer sentido – e tenho a certeza absoluta que esse comportamento acabou com o ecótone entre os naturais e os artificiais. Não é ruim, no…

O apartidário ignóbil.

A internet era para ser elitista. Os estudos de tendências de uma década atrás apontavam um, no máximo dois brasileiros a cada dez, em 2010, com acesso à rede. Era o preço dos computadores (e da banda larga) quem ditava essa regra. Mas como esse demonhinho é totalmente imprevisível, o mercado despejou netbooks, tablets, smartphones e assim…

You've Got a Friend in Me

A vida tem uma organização orgânica que não deveria nunca ser modificada. E é esse o problema mais crônico que a torna bela e intensa. Aquela velha história de que um pai jamais deveria enterrar um filho. Ou quando a morte passa uma rasteira repentina em alguém que a gente gosta. A morte; eu não…

A essencial preguiça existencial

O sentimento humano mais interessante que existe é a preguiça. E o fato de que a maioria das pessoas são preguiçosas. Falo da preguiça no mau sentido mesmo, aquela sedentária-obstruída e que faz todo mundo postergar qualquer projeto por tempo indefinido. Gosto da preguiça. Nos outros. Gosto de ver gente preguiçosa. É uma sensação que me acalma.…