Aquele amor maior

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

Era tido como certo que aquele relacionamento entre o rapaz-todo-avoado e a moça-certinha não iria para frente. Apesar das inúmeras diferenças, ambos tinham algo em comum: gostavam de carros, de livros, de fotos, do trabalho do moço e do conceituado lobby de pesquisadoira dela. Eles se gostavam. Ele pensava nela antes de dormir e ao acordar. Aliás, tinham muito em comum.

Eles eram síncronos.

Mas ninguém percebia esse tênue e perfeito detalhe.

É por isso que sempre dizem por aí que opostos se atraem. É a pura e melancólica preguiça de olhar a vida com outros olhos, os do conformismo.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

<p>Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.</p>