A mulher ciumenta

Curtir Aguarde... descurtir
 
0

A mulherzinha era ciumenta e possessiva. Desconfiava da mulherenguice do seu marido. Chamou a amiga, tramaram um plano: ela daria em cima do canalha.

É claro que para aquela mulher, seu conjuge era culpado, até que se provasse o contrário.

Dia desses ele estava sozinho em casa. Era tarde da noite, calor insuportável, futebol na televisão. Ele estava tomando uma cerveja. A campainha tocou, era a amiga gostosona da sua esposa.

Ela entrou, ele fechou a porta. Ela insinuou, ele se fez de desentendido. Sentaram-se no sofá. Ela pousou a mão sutilmente na coxa do homem. Ele a olhou, beijaram-se vorazmente.

— Canalha! Sua mulher tinha razão! — Disse ela, interrompendo
    bruscamente o beijo.

— Razão? — Ele retrucou, na esquiva, tentando entender.

— Ela tinha razão… Seu beijo é quente! Vem cá que vou arrancar sua roupa.

A amiga e o mulherengo viraram amantes.

Mais sobre o autor

Ralph Spegel

Forte, estatura heróide, pálido de argila, barba inteira, rente, pontiaguda, vestindo corretamente, parecia à primeira vista uma dessas nulidades elegantes, a que a natureza, satisfeita por masculinizar-lhes o aspecto heróico, regateia lugar no espaço. Bastava porém, reparar na flexão das suas sombrancelhas espessas, na expressão imperativa do seu olhar, para descobrir dentro dessa míngua orgânica, um caráter em carne viva.